Segunda, 11 Dezembro 2017

NOTA DE ABERTURA DO ANO JUBILAR

 

Celebração solene abre o Ano Jubilar da Arquidiocese de Diamantina

Missa na Catedral Metropolitana celebra os 100 anos de Diamantina como Arquidiocese e os 150 anos do Seminário Sagrado Coração de Jesus

 

“Foi uma celebração emocionante”! Esta era frase mais ouvida pela grande maioria após missa que abriu oficialmente o Ano Jubilar da Arquidiocese de Diamantina, realizada na sexta-feira, 14 de julho, na Catedral Metropolitana de Santo Antônio. A Celebração Eucarística foi presidida pelo arcebispo dom Darci José Nicioli, e concelebrada pelo bispo emérito de Diamantina, dom João Bosco Óliver de Faria e pelos bispos das dioceses de Teófilo Otoni, dom Aloísio Jorge Pena Vitral; de Guanhães, dom Jeremias Antônio de Jesus, representado por um sacerdote; dom Marcello Romano, bispo de Araçuaí e dom José Carlos Brandão Cabral, bispo da Diocese de Almenara. O ato solene ainda contou com autoridades do município, o clero arquidiocesano, padres convidados, seminaristas, religiosos e religiosas e grande parte da comunidade arquidiocesana.

 

Logo no início, dom Darci declarou aberto o Ano Jubilar que contará com uma extensa programação religiosa, cultural, concertos, atividades esportivas, romarias, shows, apresentações teatrais. Eventos que se estenderão até o dia 8 de julho do próximo ano. “Com alegria, com o coração exultando, declaro aberto o nosso Ano Jubilar, o centenário da nossa arquidiocese e o sesquicentenário do seminário! ‘Deo gratias’”! O arcebispo também saudou os presentes e os representantes das 55 paróquias presentes nos 34 municípios que formam a Arquidiocese de Diamantina. “É uma alegria tê-los conosco nesta celebração tão significativa para nossa Igreja Particular de Diamantina. Este é o dia que o Senhor fez para nós, jubilemo-nos! (SI 118,24)”, exclamou dom Darci.

 

Em sua homilia, iniciada por um poema de própria autoria onde o arcebispo recorreu à tradição artística e religiosa da cidade sede arquidiocesana, dom Darci fez referências históricas aos seus antecessores e todo o legado deixado por estes homens que passaram por esta arquidiocese. Destaque para o programa pastoral da nova diocese que se baseava em três pilares: catequese cristã, promoção humana e assistência social.

 

No âmbito político social, dom Darci destacou os escritos daquele que foi o terceiro arcebispo, dom José Newton de Almeida Batista (1954), que, segundo afirmou, suas palavras se tornam adequadas ao momento político que o país está vivendo. “Na carta pastoral de 1954 suas palavras se mostraram proféticas. Disse: ‘Num tempo como o nosso em que erros se mudam facilmente em catástrofes, o homem político cristão não pode – hoje menos que nunca! – agravar a tensão social interna dramatizando-a, descuidando o que é positivo e perdendo a reta visão daquilo que é possível...’”, dizia. E ressaltou: “Haveremos de ter sempre esperança nesse nosso momento dessa barafunda política que estamos vivendo”.

 

Na ocasião, dom Darci fez o anúncio do Projeto Pastoral em elaboração, que tem como alguns princípios assumidos da ação pastoral, cuidar da iniciação à vida cristã, estar em permanente estado de missão, vivenciar a Igreja como comunidade de comunidades, ser Igreja a serviço da vida plena para todos, bem como anunciar Jesus Cristo e seu plano de salvação, de forma simples e objetiva; além de aproximar os indiferentes à fé e sensibiliza-los pela Boa Nova de Jesus; animar os cristão desencantados e desanimados; fortalecer e fidelizar os cristãos participantes nas comunidades; investir na formação das lideranças leigas atuantes e suscitar novas e acudir emergencialmente os mais necessitados nas paróquias.

 

Direcionando sua fala aos padres e a todo o elenco arquidiocesano o arcebispo fez seu pedido de renovação e reafirmação no compromisso cristão. “Caríssimos irmãos no episcopado, amados sacerdotes, religiosos e religiosas, seminaristas, povo santo de Deus reunidos como assembleia eucarística, renovemos as energias neste Jubileu, reafirmemos nossa fidelidade e sigamos confiantes n’Aquele que nos chamou”, disse.

 

Ao final da celebração, foi lançado oficialmente o Concurso do Hino para o Ano Jubilar, com informações e regulamento disponíveis na página da arquidiocese na internet (clique aqui) e no Facebook. O resultado será conhecido no dia 12 de outubro, durante Celebração Eucarística na Solenidade de Nossa Senhora Aparecida que será realizada na igreja dedicada à Ela, em Diamantina.

 

Após esta missa festiva de abertura do Ano Jubilar, todos puderam apreciar o show da cantora e apresentadora da TV Aparecida, Mariangela Zan e banda, na Praça da Catedral. A artista apresentou um vasto repertório de canções sertanejas de raiz, e composições tradicionais do cancioneiro popular e da cultura caipira dos sertões do país.